quinta-feira, maio 24, 2007

Baixio das Bestas


Eis uma história crua, que muito depende do quanto desnudados estão dispostos seus executores. Mais do que artistas nus, vemos neste filme de Cláudio Assis uma Zona da Mata despida: pobre, esquecida, abandonada.

Os personagens retratados neste filme são o reflexo do abandono e o da marginalidade a que foram submetidas muitas das cidades interioranas de nosso Nordeste. Muito me fez lembrar - totalmente pelo seu sentimento de escanteio, nunca pelo seu modo se descrever - a cidade esquecida do filme "A Máquina",de João Falcão, da qual seus moradores evadiam-se por conta da falta de recursos.

A falta de recursos da cidade focada em "Baixio das Bestas" é exemplificada pela ausência de oportunidades e mostrada como um palco para o desfile de figuras animalescas, que, muito por conta da marginalidade, são mostrados em tons naturalistas, que remetem à irracionalidade humana. Os personagens aproximam-se dos animais em seus métodos, embora cultivem a maldade de comportamento digna de uma maléfico ser humano. E muitas vezes agem com uma maldade exasperadamente pueril, como a de uma criança que decepa friamente um inseto, por exemplo.

Trata-se de um excelente trabalho de Dira Paes, Matheus Nacthtergaile, Caio Blat e a estreante Mariah Teixeira, que conseguem, cada um à sua "baixeza" de existir, transmitir antipatia, asco, raiva e pena, respectivamente. Através de seus personagens, pode-se ver a absurda falta de contidão e modos de uma prostituta de "segundo escalão"; a loucura e o sadismo existentes num homem cuja instrução volta-se ao gosto pela maldade; a preguiça personificada na malandragem inescrupulosa de um jovem imaturo e inconseqüente; a perda da inocência em virtude da constante humilhação e conformação inevitável. Além de seus personagens principais, o filme conta com um elenco desconhecido, porém não menos brilhante, que age com tal naturalidade diante da câmera, que nos faz pensar se são mesmo atores exercendo seu trabalho, a exemplo da cena entre o bêbado cavador de fossa e o patriarca explorador da sexualidade infantil, ambos interpretados brilhantemente por Irandhir Santos e Fernando Teixeira.

"Baixio das Bestas" é uma história sádica e deprimente por natureza, e que ganha contornos de ótima composição em virtude justamente da crueldade de suas exposições secas e desveladas. Planos de cima, bem como por trás dos personagens, além de no meio de um grupo de maracatu em plena atividade não nos deixam em dúvida de que somos mesmo espectadores. Desde o inicío da projeção fica clara a intenção de exposição de uma realidade com a qual não nos identificamos e que, apesar de próxima e triste demais para ser verdade, é verossímil.

Eis a principal contribuição do filme: um Nordeste da Zona da Mata desnudado de retratações caricaturais, desmascarado em suas verdades mais trágicas. Dentre elas, a de que nasce um animal dentro de cada homem esquecido pela própria Humanidade.

3 comentários:

thaís disse...

tais parecendo aqueles criticos de cinema!heheh
tava querendo ver esse filme, e agora que li teu texto me emploguei totalmente :D
qdo tu ficar famoso tu nao vai esquecer de mim não ne?!
uhauhua
bjoooooo

Elizabeth disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Beth disse...

higgus
quer um conselho? sai da facul de direito...ali nao é teu lugar.....hehehe...eu ja falei mil vezes....

bjoo