segunda-feira, fevereiro 05, 2007

A Deus inconformado



- Eia, desgraça...Se fostes pouca, não terias graça!
- Quanto lamento, amigo, posso ajudar?
- Não, não se incomode...ninguém pode!
- Que é isso, companheiro...tenho ouvidos..pode falar!
- Obrigado, cumpádi, num é de ouvinte que preciso...
- Está certo...Não se preocupe...estou aqui por perto!
- Na verdade, não acredito mais na humanidade!
- Que é isso, amigo? Foi grande assim a crueldade?
- Foi, foi, cumpádi. Afiada como faca de verdade.
- Mas do que se trata? Alguma ingrata?
- Nem me fale, nem me fale, aquela bandida...!
- Vamos, amigo...Se abra, quem sabe a gente descobre uma saída!
- Só a morte, compadre, só ela pra me dar sorte...
- Calma, amigo, calma...Sem desespero...Há quanto tempo?
- De mentira? Perdi a conta! Se fazia de Santa!!!
- Que lástima...Era bonita?
- Era, compadre...a luz da minha vida...
- Vixe, companheiro..Veja o lado bom, estás solteiro...!!
- Não quero, amigo, não quero!! É ela quem venero...
- Mas se foi, amigo, se foi...Não são mais vocês dois...
- Eu sei e é por isso meu lamento...Foi-se como o vento...
- Que desgraça, que desgraça...Maldita seja tanta beleza...
- Maldita, compadre! Danou-se como a correnteza!!
- Chega, amigo, larga de birra...Enxuga o choro na manga e pega essa pinga!
- É difícil, cumpádi, cravou no peito...Perdeu todo respeito.
- Imagino, amigo, que sofrimento...Mas vivamos, pois a vida continua!
- Pra você, que tem bom casamento...
- É verdade, companheiro, não contesto! Mas de resto, tens responsabilidades...
- Não me importo, sou um homem morto! Minha sina é viver pra sofrer!
- Arruma a tua vida, hômi, toma tento! Um homem resiste a tal sofrimento...!
- Sofrimento é minha ordem, companheiro...À desordem, seguirei..
- Não permito, meu amigo, não te iludas! Até Judas foi perdoado...
- Perdão??? Àqueles safados?? Não me tomes por covarde, cumpádi, sabes que não é assim...
- Tudo bem, tudo bem...Mas, enfim, quem é que chora? E agora? O fim?
- Sim, sim...o fim...estou disposto...Não tenho mais gosto de viver...
- Então, amigo, me desculpe, mas és acima de tudo um covarde.
- Não me importo, cumpádi, já disse... e sem alarde partirei...
- Nunca hei de deixar! És adulto!! Que insulto ouvir tal insanidade!!
- Não se exaltes, compádi...já passei da idade... não tenho mais norte...
- É o que pensas, amigo... Veja, tudo tem um sentido, uma razão de ser...
- E minha razão morreu quando ela partiu, caro amigo. Adeus!
- Não, o que é isso? Por Deus, largue essa arma!!! Escuta o que te digo!!
- Obrigado, companheiro, és um homem digno...
- Que desgraça, é uma tragédia! Como podes ir assim?
- Como alguém que amou demais até o fim...
- Pensa bem, amigo, olha lá...Não se precipite...
- Desculpe, cumpádi, se a isso assistes...Mas diga a ela que sempre foi dela meu coração...
- Não, não, não!!
- ...

- ...

2 comentários:

De perto, ninguém é normal... E daí? disse...

Ouça , ops, leia bem: se eu SONHAR que um dia o sr. desistiu de jornalismo, vai levar uns bons tapas, viu? Simplesmente P-E-R-F-E-I-T-O!!!
Como diz o slogan do Prêmio, NADA SUBSTITUI O TALENTO, e aqui pode-se constatar que o sr. o tem de sobra, viu? PARABÉNS!
Xero, te adoro!

lêu disse...

higgo vc faz jornalismo tb?
huhuhuh
faz onde? olha que texto legal! é vc que escreve tudo aqui? abraço