sexta-feira, outubro 26, 2007

Coisas de lençol


- Eu só quero ver se da próxima vez você me deixará assim a ver navios...

- Você queria que fizesse o quê? Bancasse o segurança seu e de seu amigo (fazendo sinal de aspas) enquanto vocês trocavam figurinhas de como era boa a época da sorveteria de Dona Nena?

- Mas é claro. Você é meu marido e tem obrigação de me esperar!

- Minha única obrigação com você é te respeitar e te satisfazer sexualmente, Tânia, nada mais!

- Como ousa resumir nossa relação a sexo e respeito?

- E você como ousa me fazer de mero segurança de ex-namoradinho na época da Sorveteria da Dona Nena?

- Eu não te fiz nada de segurança... Eu apenas gostaria que você, como disse, respeitasse o meu momento.

- Respeito tem limite, Tânia!! Você nem me apresentou ao cabra! Nem sequer um rabo de olho em minha direção, para que eu tivesse paciência! Da próxima vez, ou você me trata como seu marido, ou eu vou te deixar esperando quantas vezes forem necessárias!!!

- Mas eu não passei nem dois minutos conversando com o Tadeu..

- Tadeu, Tadeu...porcaria de Tadeu!

- Você nunca foi de fazer essas ceninhas, não sei porque só agora..

- Não é ceninha, Tânia!!!!! Eu te deixei lá porque você, enquanto estava indo embora com seu amrido, esqueceu do mundo quando encontrou com Tadeu da época de sorveteria de DOna Nena!

-Pára de repetir "Tadeu da época da sorveteria de Dona Nena" toda hora.. O nome dele é só Tadeu!!

- Pára de falar só nesse Tadeu da sorveteria de Dona Nena, eu acho que a conversa aqui deveria se restringir a suas atitudes!

- E que tal AS SUAS atitudes???

- MInhas atitudes??? Foram as de qualquer ser humano com um pingo de 'semancol' e amor próprio, Tânia!!

- Nada disso, você demonstrou fraqueza, impulsividade e dor de corno.

- Fraqueza??? Impulsividade??? Dor de coooorno?? Essa agora é boa...

- E ainda tem mais...Eu quase que aceitava a carona do Tadeu...

- Você não ficou louca ainda não, Tânia..

- Mas eu queria te deixar louco, por ter me abandonado lá na festa!!!!!! Quebrei meu salto de 500 reais da Arezzo por sua culpa!!!! E tive que deixar o motorista do Táxi esperando lá embaixo..

- Vá logo pagar esse táxi, senão ele vai começar a desconfiar que você é mesmo uma caloteira...

- Quando eu subir, continuaremos essa conversa, mocinho.

- Se eu ainda estiver aqui, sim.

- Ouse sair deste quarto.

- Ouse mandar em mim de novo.


(Quinze minutos mais tarde. Mateus enrolado nos lençóis. Tânia se despe)


-Mateeeus, Mateeeeus.. eu não acredito que você já esteja dormindo, não..

-Huuum...

-Mateus, não me deixe mais nervosa... Desculpa...

-Huuummm...

-Da próxima vez eu te apresento...

-Huuuuuuuuummm...

-Posso entrar aí no lençol?


Mateus estende o cobertor, permitindo a passagem de Tânia.


E assim terminou mais uma discussão.

Um comentário:

fã disse...

hmmmmmmmmm
Da sua autoria é mocinho?
hahaha muito chick!
É muito engraçado como coisas vividas por outras pessoas.. ja fizeram parte de algum modo de situações vividas por nós!
Por mais que cada um tenha suas proprias experiencias vividas.. no fim, o ser-humano é quase igual nos suas ações e reações.. eu disse quaaaase =D
ahhhhh e gostei do ficar repetindo.. "Tadeu da época da sorveteria de Dona Nena" hahahha.. faço isso de mói em outra situação mas pra causar o mesmo efeito hahaha ^^
bejo, inté diki a poko la na buerosidade