segunda-feira, janeiro 02, 2006

(dois mil e seis) sorriu para vocês


O passado ainda está tão presente, que fica um tanto quanto difícil de prever o futuro. Mais um ano se despediu de nós e fica sempre aquela balança invisível de nossas cabeças que regula os arrependimentos e as novas resoluções. E aí sempre rola aquela avaliação se foi um ano bom ou ruim. Para mim, não existe ano bom ou ruim. Vá lá dizer que um dia foi bom ou ruim, mesmo porque 24 horas nos permitem fazer uma avaliação mais detalhada. Já 365 dias se trata de um espaço de tempo muito grande – ou não – para que se diga se foi um período feliz ou não. Avaliar se foi um ano positivo ou negativo é tão difícil porque para mim esta avaliação está intrinsecamente ligada ao conceito de felicidade. E este é um dos sentimentos mais complexos, pois chego até a duvidar sequer da permanência dele. Assim como acho que há apenas momentos felizes – e é só então que a felicidade aparece -, da mesma forma me é complicado avaliar se 2005 foi feliz. Teve, portanto, momentos felizes. E se a felicidade em sua completude existe, ela se fez presente apenas nestes momentos.
“Por onde vou guiar o olhar que não enxerga mais?”, disse o poeta, abrindo espaço às previsões, à vontade de ver a luz, de conhecer o que está por vir. De ver anunciado o horizonte distante que, quem sabe, guarda momentos felizes. Assim é 2006, um ano de esperanças diversas, mas um ano de pés no chão. Sabe aquele texto lá em baixo sobre incerteza?? Pois é, deixe a incerteza positiva guiar este ano que lhe mostra os dentes! Deixe a retrospectiva de 2005 ser ofuscada pela falta de uma expectativa detalhada de 2006. Não espere muito de um ano que mal começou. Planeje-se, trace objetivos, organize-se. Mas não tente prever cada detalhe. Não tente supervalorizar os percalços, as dificuldades. É com a improvisação que mais se aprende. Guie o novo ano como um encapuzado que vai aprendendo a enxergar melhor com os outros sentidos, em vez de morrer sufocado. Burle a pontada de vontade que sempre dá de desejar a perfeição ou um divisor de águas que vá mudar tudo repentinamente. Porque certamente seu pedido não será atendido.
Apronte-se para 2006!! Ele se apresentou com um sorriso para você. Cabe, então, retribuir a simpatia com muita garra e força, para no final dizer que ele valeu a pena, seja sendo avaliado como bom ou ruim por você. Para mim, 2006 já é um ano de momentos felizes, pois começo com saúde, disposição e, melhor ainda, tenho família, amor e amigos para me ajudar caso um destes me falte no trajeto. Portanto, não há o que tentar prever ou esperar; há o que viver !!!! 2006 sorriu para vocês!! Faça como diz a boa-educação e humildemente sorria de volta. E, se puder, seja mais ousado: estenda-lhe a mão e o convide para dançar.

4 comentários:

carlla :) disse...

oiHHOIAHOIAHI
juro como nao li tudo mas o que eu li me fez perceber que realmente tu escreve mt bem
hihihi
:D
vo ler o outro agora
e vou comentar em tds
AGORA NAO TEM O QUE RECLAMAR
remoso
:*

thais disse...

ei,
me da um autografo?
UHUAHUAHUAHA.

é muito bom começar o ano com tu do meu ladinho!!

te amo beiber!
hihihihi
:***

Milene disse...

mais escreve bem
mas é metido
auhauhauhauahauh
te amooooooooooooooooo!!

bju

thais disse...

quero q rafa seja iguala esse bebezinho ai!!
ooow!
bjooo