sexta-feira, setembro 25, 2009

Maria Eduarda


Maroca nunca gostou das fitinhas na sua cabeça, do seu vestido rosa, dos seus sapatinhos comportados. Sua mãe queria que ela quisesse querer ir pro balé, pras lojas de roupa, pra casa das tias brincar com as primas. E ela ia, sem querer. Fingia uma introspecção para não denunciar sua tristeza. Passavam-se os anos, Maroca seguia com muitas fortes cores, poucas palavras e nos passos da mãe. Perdia horas entre os cheiros de cabelo queimado do salão de beleza, dentro da personagem tímida que aprendera a encenar. Todos os seus horários lhe eram determinados, nunca discutidos. À mesa, tudo o que mais odiava. No quarto, pufes, almofadões, cortinas, babados, espelhos, tudo meigo. O pai, sempre ausente, a tinha apenas como uma boneca exposta na estante do quarto, a princesinha do papai, linda e perfeita. Um anjo domado.

Dia desses Maroca foi ao shopping com as amigas arranjadas. Na intenção de tomar um sorvete, se distanciou das demais. Perdeu-se. Nunca se soube se fugiram dela. E, percebendo-se sozinha, danou-se a andar sem rumo. Riu-se abestalhadamente, correu alegre pelos corredores, olhar louco sem rédeas, em direção à porta. Maroca saiu no sol sem protetor, descabelou-se, atirou longe a bolsa, descalçou-se, seguiu sem rumo. Seus pés finos queimavam no asfalto quente de fim de tarde, apontando em direção ao mar azul lá longe. Chegando, a fôlego e suor, na areia, pôs-se a rodar, qual bailarina sem ritmo, braços abertos ao vento, desenhando riscos de vento na praia. Quem olhava de longe, não entendia. Se alguém olhasse de perto, entenderia menos. Deixou-se cair na areia, sob o sol arroxeado que anunciava a noite, e aquietou-se, esparramada naquele momento só seu.

Maroca voltou temerosa pra casa. E, não obstante os questionamentos, os choros, as discussões, as acusações, a polícia e o castigo, ela estava satisfeita, sonhando com a dose de liberdade experimentada. E planejando ousar novas experiências. Quem sabe escaparia para a livraria da esquina algum dia. De volta às grades, Maroca, agarrada aos limites de sua janela, planejava usar até o próprio nome. No primeiro descuido, Maria Eduarda fugiria em direção ao seu mundo.

Um comentário:

erica disse...

sempre um prazer passar por aqui...
beijoo