terça-feira, junho 05, 2007

Dize-me teu nome, que te direi com quem ele parece


Por trás de nosso nome, há algo além ou aquém de uma pessoa, com sentimentos, temperamentos e personalidade. Nele se encerra uma força externa maior, a qual deixamos nos vencer ou não. Cada nome traz em si uma carga simbólica, que coincide ou não com o modo de vida e o jeito de ser de seu dono.

Explicarei: nossos ouvidos, os quais possuem uma ponte interessante diretamente ligada ao nosso honrado cérebro, recebem as ondas sonoras realizadas pelo som de seu nome, e são transmitidas, através de impulsos elétricos à região cerebral responsável por transformá-lo na imagem que dele temos. Porém, a imagem a qual quero aqui demonstrar, não é a ligada à sua figura, ao seu rosto, à sua pessoa. Cada nome vive sozinho, sem o seu dono, mesmo porque um nome pode ser dividido entre várias pessoas diferentes. Porém, o mais interessante é que cada nome vive de uma forma diferente, dependendo dos ouvidos onde chegam...

Exemplificarei, iniciando pelo meu próprio, claro, para evitar quaisquer acusações: meu nome advém, logicamente, do nome Igor, o qual tem cara certa de segurança de boate ou de bar. (Nada de Igor cigano da novela !! É pra dissociar do que já existe!!) É sim daqueles leões-de-chácara que a gente vê nos filmes, cuja única função é a de pedir senha e a de esbofetear bêbados brigões. Só que, no meu caso, Higgo é o nome de um segurança de família muito pobre, pois seu pai inventou de enfeitar seu nome com o que há de menos combinativo em nossa língua portuguesa. Dois 'g' que tem som de um só, "h" na frente para ficar à frente na chamada e sem o "r" no final, que é pra sintetizar...Pasquale ensinou isso em algum lugar? Eu, mesmo, nunca vi...

Além do meu 'querido' nome, posso lhes dar inúmeros outros exemplos... Vejam Aleriane, por exemplo...É o nome de uma grande amiga, porém dissociando a imagem dela de seu nome, fica óbvia e clara em minha mente a imagem de alguém, por trás de uma ligação telefônica, assim atendendo o telefone: "Operadora X, Aleriane, Boa Tardjje !!"... (assim mesmo, com dj...no carioquês...) Aleriane foi inventado para ser nome de operadora de telemarketing, e se, minha amiga mudou essa história que parecia estar marcada como decisória pelo poder imposto por tal nome, tornando-se uma futura artista plástica, ela venceu o destino marcado pela cartório !!!Apesar de achar que um nome do tipo Glauco, ou Elisa, combina muito mais com artistas plásticos...

Continuando nossa tarefa de decifrar a natureza de cada nome, chegamos a um interessante. Em que imagem vocês pensam ao ouvir, por exemplo, o nome Natana?? Vejam se essa imagem não cabe perfeitamente: descendo das escadas improvisadas da favela, lá vem Natana, com seu cabelo baixinho pintado de loiro-albino, seus shorts jeans rasgados que antes eram uma calça corsário, seu top estampado com papoulas rosas e seu piercing que mais parece uma alegoria de escola de samba. Se formos pesquisar mais a fundo, saberemos que na verdade seu nome é Natan, mas a identidade sexual de nosso personagem não vem ao caso...

Vamos adiante: Elizabeth!! Como pode uma criança chamar-se Elizabeth...? Uma criança não tem cara de Elizabeth...Invariavelmente, uma mini-Elizabeth, deve responder aos apelidos de "Lili", "Lizinha", "Bethy", "Betinha.." Elizabeth é nome de senhora, mais especificamente daquelas velhinhas que viajam freqüentemente em excursões de idosos, e que sabem fazer um ponto-de-cruz como ninguém...É lúcida a imagem de Dona Elizabeth, costurando sentada em uma mesinha , entre outras senhoras (Conceição, Maria das Dores, Maria Anunciada, Fátima e Marlene), a bordo de um cruzeiro com destino a Angra dos Reis, indo para o 75º Encontro Mensal de Dança de Salão para a Terceira Idade...

Posso dar-lhes muitos outros exemplos: Rubens é nome de intelectual, de alguém que quando morrer certamente deve contribuir com seu nome para alguma rua e avenida; Adriano Ricardo, assim, junto, é nome de personagem de novela mexicana, e sua mãe, a espectadora assídua Jucilene, colocou, claro, em homenagem ao galã da novela; Wendell...nome perfeito para os ambulantes, sejam da praia, sejam do Centro da Cidade; Bruno é nome de surfista mauricinho, daqueles que vão-e-voltam de Maracaípe como quem compra pão; Angélica é nome de mulher recatada que esconde o grande segredo de se envolver com o pai de sua melhor amiga; Suzy é nome de cachorro, desculpem, assim como Astor, Otto e Rufus; Ana, nome de carola de igreja que reza três terços por dia, etc e etc e etc. Há vários outros escondidos em nossa consciência: Manoel é nome do padeiro; Seu Anselmo, o da banca de jornal, que também faz jogo do bicho; Ívisson, o do rapaz que dá aquela força lavando o carro e arrumando o jardim; Samuel, o taxista de confiança que faz umas viagens com você vez em quando.

Pois bem....poderia ficar aqui horas e horas transcrevendo nomes e as impressões pré-conceituosas que sobre eles posso citar. É claro que isso não passa de um exercício de quem não tem outra coisa importante para falar, e que os significados de tais nomes dependem dos ouvidos e das impressões de quem os recebe. A falta de ciência dessa prática não inibe o poder de seu excesso de criatividade, pois, pode ser a partir de nomes, que novos personagens são criados. Melhor: cada nome nos apresenta a um personagem diferente, presente na imaginação fértil de cada um. Na vida real, acredito que o nome pouco - ou quase nada- diga sobre a pessoa que o possui (a não ser que alguém se chame Ribonucléica - essa possivelmente é uma pessoa deprimida...). O que fala realmente sobre ela é o seu caráter e no que ela acredita. Mas, num mundo fictício, presente nos vastos labirintos da criação de uma mente, um nome cabe perfeitamente na figura imaginativa para que nos remete nosso cérebro quando traduz aquelas ondas sonoras que em nossos tímpanos chegam.

Portanto, seja você Samantha (lésbica, claro), seja você Aguiar (corretor de imóveis, óbvio), ou Tereza (nome de vó, qualquer uma), Vera (cabeleireira) ou Jaciara (professora), é você que escolhe quem você quer ser. Seu nome pode se tornar apenas o alvo de brincadeiras como esta, mas você tem o poder de fazer a sua pessoa servir, não de brincadeira, mas de exemplo. E isso, claro é muito mais importante. Beleza, Antônio do elevador?

4 comentários:

Mai disse...

Aiiiiiiiiin,que lindo que tu escrveu!
akela brincadeira serviu pra um Otimo texto!
agora deixa eu te dizer uma coisa,tem duas relações de nomes certas.
minha mãe:Jaciara,formada em pedagogia.
minha vó:Marlene,custureira,bordadeira,dona de casa seja lá o que for.
mas...o que eu me senti ofendida mermo é que vc sabe do meu futuro filho Ântonio i no entanto o colocou como o homi que trabalha no elevadoooooor.
ai é mal né Higgo...polxa!
hausauyshaushaushaush

Mas...ta massa o texto!
Adorei!
beijo mister!
hihihihihihi...

Sabrinny disse...

sabrinny seria nome de que?

higgo braga disse...

Respondendo à consulta, Sabrinny logicamente é nome de 'drag queen'.
"Sabrinny, a rainha da purpurina.."

Entretanto, pode-se associar ao nome artístico de alguma cantora pop que use apenas roupas coloridas e coleciona capas da capricho.

E tenho dito. heheheh

Anônimo disse...

...pois é também concordo com meu primo,nomes dizem muito sobre identidades de pessoas e para piorar nosso rico portugu^^es ajuda a piorar as coisas!!
Minha mãe é um exemplo vivo disto,que tal Orlinda?
Mas para os íntimos a doce "Linda",que através de toda a sua pureza nos passa a cada dia o desejo de que podemos nos tornar pessoas cada vez melhores.Ah e ainda tem minha avó,que Deus a tenha,Áurea,famosa Aurinha,querida vovó Apinho.E ai primo,vai encarar?